Crítica – A Bailarina

janeiro 12 2017

                A Bailarina ( ou Ballerine) é a mais nova animação da Paris Filmes, e têm sua estreia marcada para o dia 26 de Janeiro – apesar de que em algumas localidades já contarem com sessões de pré-especiais.  Com roteiro do trio: Carol Noble, Eric Summer e Laurent Zeitoun e direção de Eric Summer e Éric Warin, esse filme promete trazer ao público uma hora e meia de uma história sobre sonhos, paixões, dança e uma linda amizade.  Tornando assim, não apenas as crianças o público alvo do filme, mas sim todos aqueles que um dia já o foram e sonharam em realizar – e até ser – algo em especial!


Sinopse:


A produção ambientada na Paris do século XIX narra a história de Felicie, uma sonhadora menina órfã que almeja realizar o sonho de ser uma grande bailarina. Para isso, a jovem toma uma atitude arriscada para conseguir o que quer: foge para Paris e decide se passar por outra pessoa, e consegue uma vaga no Grand Opera, onde vai aprontar muitas aventuras.






                Felicie é uma jovem por volta dos seus – acredito que no máximo – treze anos que tem como sonho ser uma grande bailarina. Órfã, ela não sabe muito sobre seus pais e tudo que já conheceu foi o orfanato onde foi deixada, junto a uma caixinha de música, quando ainda era muito pequena para se lembrar. Desde que se entende por gente, a dança parece a acompanhar e ela se vê se vivendo a vida em meio a rodopios e trapalhadas junto ao seu melhor amigo Victor.


               Victor foi deixado no orfanato na mesma época que Felicie e desde então os dois se uniram formando uma linda e sincera amizade. Ele sempre está lá quando ela mais precisa e compartilha do sonho que ela possui de fugir de lá e conquistar o mundo realizando o que a Madre insiste em dizer que é bobagem. Ao contrário de sua melhor amiga, seu sonho é ser um grande inventor; para tanto vive a consertar e criar novos protótipos de invenções que ele tem certeza que darão certo, mas que sempre contam com algum problema na execução. 

  

No entanto, no meio de algumas dessas tentativas, ele irá criar aquela que os possibilitará finalmente conhecer a tão sonhada Paris do século XIX. Uma terra de sonhos, romance, dança, invenção e como ele mesmo gosta de ressaltar: romance. Mas como nada ocorre de forma fácil ou normal para eles, os dois logo se veem separados na chegada a cidade tão esperada. Felicie, se encontrando sem alternativa, e não conhecendo nada por ali, segue sem rumo e a procura da Grand Opera, um local que exala música por todos os lados e que foi capaz de encanta-la em apenas uma imagem.

 É então que sem querer seu caminho se cruza com Odette, uma empregada ali perto que mesmo sem a conhecer a ajuda a sair de uma enrascada, logo depois de Felicie ver a mais incrível bailarina na sua frente. Insistente e até um pouco irritante, como apenas ela consegue ser, ela a convence que pode ser uma excelente ajudante de limpeza conseguindo assim um lugar para ficar e ainda ajudar a quem ela já considera uma nova amiga.


Mas depois de se encontrar com a filha da “sua” nova patroa, Charllote, e ela estragar a única coisa que possuí de valiosa, ela se vê com muita raiva e com a oportunidade de finalmente realizar seu sonho, só que para isso terá que mentir dizendo ser quem não… E nem preciso dizer que o ditado: Mentira tem perna curta, se aplica de forma intensa aqui, certo?

            Felicie está longe de ser uma bailarina e mal conhece os passos mais importantes do ballet; também não a ajuda que o professor de sua turma insista em pegar em seu pé por achar que ela só está ali por auxílio de sua mãe, a dona do restaurante que serve as costelas mais gostosas da cidade e que o dono do teatro ama. Mas determinada a não se deixar abalar pelo que não sabe, ela está disposta a provar seu lugar e viver sua paixão, mas será que ela conseguirá isso antes que acabe em mais confusão? 

                A Bailarina é uma animação que não deixa nada a desejar aqueles que vão assistir em busca de uma história leve e divertida. Ela é capaz de te fazer refletir sobre como viver, se arriscar, sobre recomeços, sonhos e paixões, se tornando assim mais do que apenas uma animação boba e sem uma mensagem.

As crianças irão aprender desde cedo a acreditar e persistir no que desejam ser mesmo que todos ao seu redor duvidem; irão entender que mentir nunca é a verdadeira resposta não importa o porquê, e aprenderão sobre que verdadeiros amigos podem ficar chateados com você, mas nunca te abandonarão! Além disso, também mostrará que existem pessoas ruins e maldosas no mundo que sentem prazer humilhando os outros, assim como muitas vezes uma pessoa pode não ser apenas o que você conheceu por alguns momentos. Da mesma forma existem aqueles que irão te ajudar sem precisar saber muito sobre você e não nutrirão interesse algum ao fazer isso.

                Encantador, com risadas garantidas e uma linda mensagem; A Bailarina é capaz de encantar todo o público sendo uma excelente escolha até para aqueles que não possuem filhos ou crianças pequenas para levar.  Um grande aprendizado sobre não só paixões em suas mais variadas formas, mas sobre uma cultura diferente e sobre o ballet; uma forma de dança capaz de representar a mais leve pureza que nem mesmo a água se move em sua presença.

                Se eu veria novamente? Com toda a certeza. Mesmo não sendo uma crítica do mundo cinematográfico, daria sem medo nota cinco a essa nova aposta da Paris Filmes que tem tudo para ser um grande sucesso de bilheterias. Afinal, é sempre bom quando encontramos um filme que retrate a verdadeira realidade; Felicie não é uma princesa, mas mesmo assim é capaz de mostrar que nada é impossível quando a gente não desiste daquilo que realmente o nosso coração almeja! Prepare-se para reencontrar a criança sonhadora que um dia você foi e acredite que nunca é tarde para ser o que se deseja ser, envolva-se nas canções e com esses encantadores personagens e se permita porque é hora de levantar voo!

                Confiram o trailer e não deixem de ir prestigiar essa obra nas telas do cinema. O filme se encontra disponível tanto na versão 2D quanto 3D, basta escolher a forma que prefere e aproveitar 😉 

  Um beijo